Minha mãe era muito alegre!

Minha mãe era muito alegre.
Ela era tão alegre, mas tão alegre, que eu não consigo nem ficar triste, quando me lembro dela.
Tem hora que eu até rio sozinha, quando me lembro da minha mãe.
Gostava era muito de conversar. Eu também era muito faladeira. “De uns tempos pra cá”, eu diminui a falação.
Quem quisesse saber da vida da minha mãe, e mesmo quem não quisesse, era só conversar com ela 10 minutos. Tinha um poder de síntese de impressionar….
Fazia amizade com Deus e todo mundo…

Minha mãe morou por um certo tempo, no apartamento da minha cunhada, na Asa Norte.
Segundo minha mãe, desde que ela se mudou pra Brasília, foi o lugar onde ela foi mais feliz!
Adorava o apartamento e a “super quadra”.
Todas as manhãs, bem cedinho, ela dava uma caminhada em volta da quadra. Mas era bem cedinho mesmo. Tipo seis horas.
E mesmo fazendo o exercício físico dela, o cigarrinho ia junto…
Numa dessas caminhadas, ela foi assaltada.
– passa o celular!
– passa o quê, menino?
– o celular!
Com a mão no ombro do rapaz:
– ô meu filho! Num tenho celular não… Detesto essas novidades…
– então passa a grana!
– ih! Piorou! Tenho não! Eu só moro aqui, porque a cunhada da minha filha, que é muito generosa, me deixa morar no apartamento dela. Eu até que podia morar com um dos meus filhos, que são muito bons, e não me deixam faltar nada… Mas eu acho que cada um tem que ter o seu canto. Tenho medo de incomodar. Só tenho aqui nessa bolsa, meu maço de cigarro, meu isqueiro, e a chave da minha casa, que nem é minha…
– mas não tem nada mesmo aí dentro dessa bolsa?
– tem não, meu filho…
– então a senhora podia me dar um cigarro?
– ah isso eu posso! Pode levar a carteia toda bobo, que eu tenho outro em casa. Eu já compro logo o pacote. Mas deixa um aqui pra mim, pra eu fumar quando eu terminar minha caminhada…
– obrigada! Ó? A senhora é muito legal, viu? Eu vou dar um conselho pra senhora. Não fica andando essa hora sozinha aqui não, porque é muito perigoso. Pode aparecer alguém e machucar a senhora!
– tá certo. Vou mudar o horário da minha caminhada.
– bom dia pra senhora! Valeu aí pelo cigarro, viu?
– pra você também. Vai com Deus!

Viram o poder de síntese?
Só mesmo a minha mãe… Fazia amizade até com assaltante…

Eu hoje ouvi uma música que minha mãe adorava.
Ela gostava muito, mas era muito mesmo, de música e de dançar.
Eu vi minha mãe dançando na minha frente, a tal da música.
Pontinha dos pés, dois pra lá, dois pra cá, dois pra frente, dois pra trás, braços levantados, mãozinhas fechadas, indicador apontando pra cima e olhinhos fechados…
Quem viu minha mãe dançando essa música, vai se lembrar muuuito dela, quando ouvir essa canção!

– saudade de você, mamãe!!!

Anúncios

2 opiniões sobre “Minha mãe era muito alegre!

  1. Que delícia de crônica prima? Que coisa mais gostosa de se ler! Alice e sua sabedoria de Teixeira Simões… Adorei seu estilo mais enxuto, pois no meu caso aqui em Dom Joaquim, e para meu público tenho que ser mais detalhista e, portanto, minhas crônicas são mais longas e tenho que lutar para que elas não fiquem enfadonhas.
    Adorei mesmo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s