Meu pai, o Sururu e eu…

Eu estudei piano duas vezes.
Uma, na minha adolescência.
Minha professora morava mais ou menos perto da minha casa.
Eu ia e voltava a pé.
Dona Olga, era o nome dela.
Mas Dona Olga se mudou, e eu tive que interromper meus estudos que eu amava!
Naquela época, o Lago Sul era uma cidade, e o Plano Piloto era outra.

Mas eu tinha muita vontade de voltar a estudar piano.
Depois de adulta, já mais velha, eu voltei pra minhas aulinhas de piano.
Minha professora era uma gracinha!
Era não. É. Ela só não é mais a minha professora, porque eu fechei meu piano…

Como eu já tinha uma noção, minhas aulas eram mais interessantes.
Eu fazia teoria, que eu gosto muito, mas eram poucos os exercícios. Era mais música mesmo.

Eu gosto muito de chorinho.
Falei pra minha professora:
– vamo dar uma variada. Já tirei muita música clássica, muita MPB, agora eu quero tirar um chorinho.
Ela tocava cada um lindo!
– vamos lá. Qual deles, você quer?
– Sururu na Cidade, do Zequinha de Abreu.
Minha professora tinha tudo que é partitura.
Lá venho eu pra casa com a danada da partitura do Sururu.
Eu nunca gostei de tocar piano com o som abafado. As teclas ficam mais pesadas.
Repetia, por baixo, umas cem vezes, cada pedacinho da partitura.
Só escutava porta de quarto batendo…
E quando eu acabava de estudar, minha munheca e meus dedos tinham que ir pra debaixo da água fria…

Tirei o danado do Sururu. Todinho. Levei alguns dias…
Deixei a partitura de lado.
Antigamente, o chique era tocar piano, lendo a partitura. Agora, o negócio é: quanto antes deixar a partitura, melhor. Eu gosto mais.
Bom… tudo decoradinho, agora bora colocar no “tempo”.
Jesus!!!!
Ô Sururu danado…

– pai, o senhor conhece essa música?
– ééé!!! Conhecer, eu conheço, mas ela não tá muito devagar, não?
– ô pai!!! Eu tô achando que eu tô uma “Chiquinha Gonzaga” ao piano, e o senhor vem me sacanear desse jeito?
– uai, no meu tempo, ela era mais rapidinha!!! Tá bonito, mas você precisa “apressar o passo aí, né???

Deu tempo de eu “apressar o passo” um tiquinho e meu pai ouvir.
Ele disse que “tinha melhorado”…
Um tempinho depois… Fechei meu piano, e não cheguei nem perto dessa maravilha aí!

Não consegui um vídeo só com o “Sururu na Cidade”. A “fera” da Eudóxia, emenda com “Tico Tico no Fubá”. Essa, eu nem cheguei a tentar.
Fica pra quando eu abrir meu piano de novo…

Anúncios

4 opiniões sobre “Meu pai, o Sururu e eu…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s